quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Das 'cartas' a quem emigra

Li, nas páginas de Facebook de vários conhecidos, a partilha de uma 'carta' que Nicolau Santos escreve aos seus 'filhos que emigram'. Li a carta porque parto do princípio que só posso formar opiniões se conhecer os factos. Mas não me enganei na sensação inicial.

Aquela não é uma carta aos filhos que emigram. É uma carta de revolta para com os governantes. É uma carta que mostra o que de mais pequenino há em cada português, porque não sabemos, tantas vezes encarar as dificuldades e transformá-las em vitórias.

Brasil 2011


Portugal não nos 'obriga' a emigrar. Lamento. Não o faz. Tenho amigos a voltar para cá com empregos garantidos e a serem felizes. Mas Portugal pode fazer querer emigrar. E isso não é uma consequência da crise. É uma consequência da mentalidade portuguesa. Esta é a primeira crise que me lembro de viver. Lá em casa, os meus pais sempre disseram que emigrar era bom. Nem que fosse por uns anos. Porque emigrar dá mundo. Faz-nos conhecer e ser num outro País que não é o nosso e ver tudo o que de bom e mau há aqui.

As pessoas emigram porque querem e não porque são obrigadas. Porque querem mais e diferente. Porque não estão dispostas a aceitar o que lhes oferecem cá. Tudo bem. Isso não é um problema. Os portugueses sempre emigraram - e a tendência da emigração está a crescer em todos os países, let's face it. Os portugueses emigram porque se sentem apertados em Portugal. Porque o país é pequenino para quem tem uma mente mais aberta. Não conheço uma pessoa que não tenha emigrado porque queria, efectivamente.

E isso não é um problema. Não temos que arranjar desculpas para querer sair do nosso País - a globalização não funciona só para importar coisas. Podemos simplesmente querer sair. Eu cá gosto de sair. Adoraria voltar a viver fora. Sem saudades do miserabilismo português e desta coisa de ter que se arranjar uma desculpa para justificar opções que às vezes são só nossas - mas ter uma desculpa ajmuda a não ter que assumir a responsabilidade da decisão. É compreensível.

E depois, a alegada carta termina com uma frase que me causou arrepios. De verdade:
"Parafraseando Jorge de Sena, que foi obrigado a exilar-se e sempre sentiu enorme raiva por isso, não sei que mundo será o teu, mas é possível, porque tudo é possível, que seja aquele que desejo para ti."

A sério que estamos a comparar a emigração ao exílio? A sério? 

PS: Mas cada pessoa tem uma opinião. E a minha é só minha. Formem a vossa depois de ler. O texto a que se refere o meu está publicado aqui.
 
Parafraseando Jorge de Sena, que foi obrigado a exilar-se e sempre sentiu enorme raiva por isso, não sei que mundo será o teu, mas é possível, porque tudo é possível, que seja aquele que desejo para ti. Mas queria que fosses tu a escolhê-lo e não que te obrigassem a emigrar. - See more at: http://www.leituras.eu/?p=11587#sthash.RePmTMwu.dpuf
Parafraseando Jorge de Sena, que foi obrigado a exilar-se e sempre sentiu enorme raiva por isso, não sei que mundo será o teu, mas é possível, porque tudo é possível, que seja aquele que desejo para ti. Mas queria que fosses tu a escolhê-lo e não que te obrigassem a emigrar. - See more at: http://www.leituras.eu/?p=11587#sthash.RePmTMwu.dpuf
Parafraseando Jorge de Sena, que foi obrigado a exilar-se e sempre sentiu enorme raiva por isso, não sei que mundo será o teu, mas é possível, porque tudo é possível, que seja aquele que desejo para ti. Mas queria que fosses tu a escolhê-lo e não que te obrigassem a emigrar. - See more at: http://www.leituras.eu/?p=11587#sthash.RePmTMwu.dpuf
Parafraseando Jorge de Sena, que foi obrigado a exilar-se e sempre sentiu enorme raiva por isso, não sei que mundo será o teu, mas é possível, porque tudo é possível, que seja aquele que desejo para ti. Mas queria que fosses tu a escolhê-lo e não que te obrigassem a emigrar. - See more at: http://www.leituras.eu/?p=11587#sthash.RePmTMwu.dpuf
Parafraseando Jorge de Sena, que foi obrigado a exilar-se e sempre sentiu enorme raiva por isso, não sei que mundo será o teu, mas é possível, porque tudo é possível, que seja aquele que desejo para ti. Mas queria que fosses tu a escolhê-lo e não que te obrigassem a emigrar. - See more at: http://www.leituras.eu/?p=11587#sthash.RePmTMwu.dpuf
Parafraseando Jorge de Sena, que foi obrigado a exilar-se e sempre sentiu enorme raiva por isso, não sei que mundo será o teu, mas é possível, porque tudo é possível, que seja aquele que desejo para ti. Mas queria que fosses tu a escolhê-lo e não que te obrigassem a emigrar. - See more at: http://www.leituras.eu/?p=11587#sthash.RePmTMwu.dpuf

3 comentários:

  1. Não concordo contigo. Claro que a maioria dos que emigaram, o fazem em busca de melhores condições.
    No entanto são cada vez mais os que emigram por estarem desesperados sem trabalho e sem qualquer rendimentos. Que emigram para simplesmente conseguirem sobreviver... Eu conheço muitos que emigraram obrigados, sem quererem ser emigrantes!
    Há realidades muito diferentes daquelas que nós vivemos...

    ResponderEliminar
  2. Existem casos e casos, claro que alguns emigram por necessidades, mas não é de hoje, é de sempre. E há os que emigram porque sentem que aqui não podem crescer como profissionais ou como pessoas, não é de hoje, é de sempre. E há ainda os que ficam porque querem ficar, passando bem, ou passando mal. Logo concordo quando dizes que não devemos justificar escolhas, são nossas!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo