segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Mega saudades



Dia 28 de Abril de 2013. Eu tinha cumprido um sonho há dois dias e embarquei pela manhã. Tu fizeste a mala na véspera do meu sonho e embarcaste nessa tarde. Fomos as duas até às Américas: eu para norte, duas semanas. Tu para Sul, doze meses.



 No coração ficou a saudade do teu pragmatismo e do teu sorriso. Da tua generosidade e da tua criatividade. Nem me lembro se te dei o abraço devido tão embrulhadas e aprumadas estávamos nos nossos vestidos-de-festa. Nem me lembro se te agradeci devidamente o bouquet-mais-lindo-do-mundo e o testemunhar do meu sonho. Eu gostava de poder testemunhar o teu. E faço-o, mesmo que pareça que há um oceano que nos separa – ok, let’s face it. Há um oceano que nos separa!

Adiante. Eu sei que tu não és dada a lamechices. Mas eu sou. E ontem, quando recebi aquela vossa foto no meu país-de-coração, desatei a chorar feita tonta, porque eu sou assim. Lamechas. E ter duas das minhas melhores amigas juntas, amigas, no meu país-de-coração, foi demasiado para aguentar no meu pequeno ‘drama palace’. Seja como for, depois de umas lágrimas, não pude deixar de sorrir. 

Porque tu, cheia de medos, decidiste dar aquele mega passo em frente. O passo que tanto assustava mas que sabias ter que ser dado. Não sei o que sentiste quando deixaste toda a gente no aeroporto. Mas se bem te conheço, ias de coração apertado mas de sorriso nos lábios. E aposto que atiraste um “está tuuuudo beeeeem”, enquanto puxavas a tua mala de mão.

E isso faz com que o meu coração ande aqui num movimento estranho: entre o muito apertado pelas saudades [que se adensam e se adensam a cada dia] e o muito inchado do orgulho que tenho pela coragem que tiveste. Que tens. Todos os dias.

Porque ir de malas e bagagens para um país que não é o nosso, numa cultura que não é a nossa, num clima (caramba!) que não é o nosso, é coisa que poucos aguentam. E tu não só aguentas como passas no teste com distinção.

Daqui a uns meses, desconfio que a pergunta que se vai impor é: continuamos a ser amigas deste ou desse lado do Atlântico? Porque a vida, essa, tenho a certeza de que nos vai voltar a juntar. E tu vais dar-me aquele abraço de que falavas. E eu vou chorar. Que as lamechices são para mim ("Que saudadeeeees") E o pragmatismo para ti ("Meg, está tudo bem, ok?").

Saudades.

Muitas saudades.


2 comentários:

  1. A minha amiga também está do lado de lá. Estou sempre a agradecer a maravilha da internet que nos encurta o oceano.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo