domingo, 19 de janeiro de 2014

Note to self #2

Não gosto do pessimismo. Do 'vai-se andando' constante. Não gosto da 'chico-espertice' nem do egoísmo que toda a gente teima em sentir. Não gosto da tacanhez que faz com que 10 milhões de pessoas não entendam que 'roubar ao Estado' ["porque são todos uns ladrões"] é roubar a cada um de nós um pedaço cada vez maior de salário, de poder de compra, de descanso, de vida.

Não gosto de que precisemos de oferecer carros em trocas de faturas, porque isso foi o que foi feito em países de terceiro mundo há 6 ou 7 anos. E isso coloca-nos no mesmo patamar que eles. No patamar dos ignorantes. Que não o fazem se não for pelo puro egoísmo de receber algo palpável em troca. Porque não percebemos que pedir fatura pode ser baixar os impostos.

Não gosto da dramatização de tudo - eu, a drama queen. "Este país mandou o meu filho para fora". "Este país não cumpre os seus deveres". "Vamos sair do euro" - como se pudéssemos. "Vamos expulsar a troika". "Vamos sair da UE"...enfim. É um vamos fazer tudo mas não fazemos coisa alguma porque é de pessoas assim que o país é feito: o metro faz uma greve por semana sem perceber que com isso só está a diminuir os custos do Estado (good for us) porque as despesas de manutenção e salários baixa mas o dinheiro dos passes mensais já entrou. Fazemos pausas de doze minutos nas escolas porque o ministro "falou mal das escolas durante 12 minutos" - seriously??

Não gosto deste país que cada vez sinto menos como meu. E já nem me preocupo com o facto de alguém que não português diga mal de Portugal. Porque os portugueses não gostam deste país. Gostam de dar cabo da vida uns dos outros, gostam de roubar o Estado (portanto, o vizinho do lado), gostam de ficar com o maior pedaço do que quer que seja porque não fomos feitos para trabalhar e ser melhores. Fomos feitos para ter mais. Não importa como. Isto é ser português: desdenhar de quem tem sucesso, acusar essa mesma pessoa de 'sorte' ou 'cunhas' e nem nos passar pela cabeça que pode ser só trabalho.

E isso entristece-me. Verdadeiramente. Entristece-me e faz-me ter vontade nenhuma de viver aqui.

1 comentário:

  1. Minha alma gémea de pensamento "não gostado" :)

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo