quinta-feira, 13 de março de 2014

Frente e Verso | Carros

Frente | O que a Lénia acha dos carros



Carro: veículo motorizado que me leva do ponto A ao ponto B. Requisitos essenciais: tem que andar e, de preferência, consumir pouco. E esta crónica podia terminar por aqui - isto é o quanto eu ligo a carros.

Adoro conduzir, atenção. Mas tanto me faz conduzir um utilitário pequenino como uma carrinha-para-famílias-numerosas (ok, dispenso "autocarros).

Os meus sonhos de consumo não incluem carros. Nunca quis ter este ou aquele carro, embora ache mais graça a uns do que a outros. Agora fazer disso objectivo de vida, não... não é para mim. 

Tirei a carta aos 18 anos, em 1997. Comecei a conduzir o carro do meu pai, um Opel Corsa de 1992. Andei com este carro até 2006 - e o carro não era meu, era do meu pai e ele emprestava-mo se eu pedisse com jeitinho. Em 2006 tive direito a carro da empresa e passei a andar ao volante de um Peugeot 206 comercial. A seguir voltei a andar com o carro do meu pai (um Opel Astra) e só em Dezembro de 2012 comprei o meu primeiro carro, um Honda pequenino que dá perfeitamente para as minhas voltinhas a solo e com os miúdos.

Ah, e se te saísse o Euromilhões, não compravas um carro como deve ser? Provavelmente sim. Mas seria sempre o marido a escolher porque, para mim, desde que ande, está tudo bem! Vá, era capaz de escolher a cor, pronto... (Preto, quase de certeza...)
 --

Eu cá adoro uns carros em particular. E conto tudo aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Ocorreu um erro neste dispositivo