quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

O meu coração em Paris

É um choque imenso aquilo que sinto. Um choque que se traduz em má disposição, em arrepios, em lágrimas a quererem saltar. Ninguém, ninguém devia passar por isto. Hoje, o meu coração voou para Paris e para a redação da Charlie Hebdo, uma publicação que muitas vezes achei demasiado ousada, cujos cartoons muitas vezes foram tão atrevidos que quase roçavam o mau gosto e o desrespeito. Mas ali, naquela redação, mudaram-se mentalidades, chamou-se a atenção para problemas, fez-se olhar para as religiões de muitos ângulos.

Ali, naquela redação, todos os dias, sentavam-se pessoas como nós: que todos os dias olham para o mundo e o contam. Uns sem humor, outros em modo aborrecido e outros assim: em modo cartoon humorístico que provoca. Que faz o seu papel na sociedade.

Hoje o meu coração está em Paris com as famílias e os colegas dos jornalistas que morreram a trabalhar às mãos dos extremistas que nós teimamos em ignorar. Hoje é Paris, a capital da igualdade, da liberdade, da fraternidade. Amanhã será onde?


Sem comentários:

Enviar um comentário

Ocorreu um erro neste dispositivo